Vou contar-lhes uma história da Carochinha: "Era uma vez... Uma garota que tinha apenas 15 anos quando aprendeu a voar. Antes possuía somente um par de asas inocentes, imáculas, que tentavam levantar vôo, mas não possuiam resistência suficiente, não sabiam como ordenar as passadas das asas e atravessar o vento. Atingiu a mocidade, aprendeu a usar seu par alado. Porém, em um dos seus primeiros vôos, esbarrou em um outro anjo, misterioso, inseguro, inconstante, que quebrou uma parte de sua asa esquerda e levou consigo. A vida daquela anja recém quebrada nunca foi a mesma, ela se tornara incrédula na magia da realidade. Ela desaprendeu a voar, a amar e a acreditar que podia ser diferente. O ladrão nunca devolvera sua asa. Ele nem se importa. Ela nunca voltará a voar como tal fazia. Decidiu, então, escrever!"

domingo, 31 de julho de 2011

Ela foi embora, ela não vai voltar. ♫


E como se o passado revivesse em um trecho manuscrito, ela escreveu com as mãos trêmulas e letras tombadas com um leve sopro do vento: "Eu não sei viver sem você." Mas, por um instante parou e resolveu encarar e aceitar o presente como se desse a cara à bater à um forte inimigo, então, descobriu que realmente não sabia viver sem ele, mas, o que é ainda mais honroso, APRENDEU a viver. Orgulhosa, levantou o olhar daquela cardeneta, onde estava escrito em todas as folhas o nome daquele que amava e ama, pegou uma folha limpa e escreveu com a mão segura e letras firmes: " Como essa folha, hoje começo minha vida: Em branco, com leves marcas amassadas como os erros e, sobretudo, sem você." A força havia superado aquele amor ferido. Ela havia superado a ausência dele. Definitivamente ou não. O passado e o futuro já não lhe interessavam tanto; o dia de hoje, era contínuo e vacilante. Este, sim, importava-a!


___________________________________________________________________

Ela não pensou, não acreditou, foi ciúme sim. E ele se calou, não quis magoar seu coração. A vida seguiu, o tempo passou e era tão normal. E ele prometeu, ela perdoou, mas nada foi igual. E ela foi embora, ela não vai voltar. Ele não acreditou no fim e o amor foi se apagando assim. Mas ele não chora e diz: o tempo vai curar. Ela não acreditou no fim e o amor foi se apagando assim.
Ela não notou que algo se perdeu no caminho. E ele não ligou, sempre acreditou que era eterno. A vida seguiu, o tempo passou e era tão normal. E ele prometeu, ela perdoou, mas nada foi igual.

Dico Rock - Papas da Língua

2 comentários:

@MikaCarla disse...

OMG
amei,amei;D
LINDA ESTOU TE SEGUINDO
ME SEGUE TBM? SE QUIZER ADOREI SEU BLOG CONTINUE POSTANDO HÁ
TA AE O MEU
BLOG: http://mikabbarreto.blogspot.com/
QUALQUER COISA MEU ADD NO
ORKUT: MIKAELI.LINDINHA@GMAIL.COM BJS ;* ♥

Fernanda Daher disse...

Own, MUITO OBRIGADA, meu bem *-*. Tô te seguindo lá já.

Beijo beeijo ;* ♥